Número total de visualizações de página

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Só as mãos

Vi-te um dia,
Há muitos, muitos anos.
Não recordo, hoje, o teu rosto,
Mas lembro bem as tuas mãos.
Porquê? Não sei.
Foi sempre assim comigo,
No registo que faço
Das pessoas que conheço.
Para uns é o olhar,
Para outros a boca,
Ou até, quem sabe,
A forma de caminhar.
Para mim as mãos,
São a expressão da alma.
Fixo-as, lembro-as
Ao pormenor.
Por isso, quando ontem cruzaste
O meu caminho, nem te vi.
Mas quando, na mesa
As mãos colocaste,
Soube logo que eras tu
Quarenta anos depois,
Da data em que me deixaste.
Não sei ao que vinhas,
Decerto, apenas passaste
E paraste.
Mas as tuas mãos,
Essas, eu sei que vieram
Para que eu as tocasse.

Helena

1 comentário: