Número total de visualizações de página

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Caminho

Há um tempo pra viver
Há um outro pra morrer.
Um caminho certo
Para te encontrar,
Um incerto para te amar
Porque me não dás a mão
Porque me não hás-de guiar?

Helena

21 comentários:

  1. vive
    o caminho
    que morre
    que todo o caminho vive
    para lá do que morre

    Pedro

    ResponderEliminar
  2. Venho apresentar-lhe as minhas condolências
    pelo falecimento(uma grande perda)de seu
    filho Miguel.
    Cumprimentos
    Irene Alves

    ResponderEliminar
  3. Um beijinho, muitos beijinhos amigos neste dia triste.
    Há pessoas que são como de minha família, o seu filho era um deles.
    Estamos consigo. Coragem.
    JCarlos

    ResponderEliminar
  4. Nestes momentos as palavras são nada e o silêncio pouco... sentimos um vazio, e temos saudades do que não conseguimos viver juntos. O que nos consola é a lembrança do que vivemos e sentirmos a sua presença em cada canto que o acolheu e que tanto de si diz...
    Um beijo;
    S. Luna

    ResponderEliminar
  5. Estou consigo, Admirável Senhora.
    Maria João Leite Cardoso

    ResponderEliminar
  6. Querida Helena:
    Não há nada que lhe possa, ou saiba dizer.
    Um abraço enorme e as lágrimas, que caem dos meus olhos.
    Beijinho.
    Maria

    ResponderEliminar
  7. Um beijinho e um abraço muito sentidos, de uma jovem leitora e admiradora sua.
    Mafalda

    ResponderEliminar
  8. Um grande, grande Abraço. No mais profundo silêncio!

    http://wwwpodepalcopt-ni.blogspot.pt/
    Ana

    ResponderEliminar
  9. Um abraço muito apertado.

    Uma admiradora sua e do seu filho.

    ResponderEliminar
  10. Hoje Helena
    eu queria trazer-te todas as estrelas do céu
    como se fossem pedrinhas de brincar
    e com elas fazer um carreiro
    um caminho
    para te levar a ver o mar

    eu sei
    que adivinhaste muitas vezes esta dor
    sozinha no carro junto à margem

    queria levar-te uma estrada de Santiago
    uma brisa uma aragem
    um gesto um aceno
    e fazer contigo a peregrinação

    e pressinto que o que te dói
    é mesmo o "útero"
    muito mais que o coração...

    (ERA UMA VEZ, 24 de Abril ao cair da tarde)

    ResponderEliminar
  11. Helena
    Admiro-a. Sigo os seus blogues porque gosto de a ler. Lamento imenso a sua perda. Perdemos todos mas a Helena perdeu imensamente mais. Um abraço forte. Não há palavras. Expressei o meu sentir no meu blogue, prestando uma pequena homenagem na forma de um post sentido.
    http://ooutrolado-nm.blogspot.pt/
    NM

    ResponderEliminar
  12. Sou uma grande admiradora das suas gargalhadas e quando soube o que aconteceu ao seu filho Miguel vieram-me logo à memória, uma senhora tão alegre e que neste momento deve estar dilacerada. Sou mãe de 2 rapazes e não posso imaginar a sua dor.

    Lamento muito.

    ResponderEliminar
  13. Admiro a sua atitude perante a vida e admiro-a pelo modo como escreve.
    Nesta altura não há palavras que confortem,porque há uma parte de si com a qual deixou de conviver e que era essencial.Só gostaria de acrescentar que o seu filho Miguel era um homem íntegro, lutando por aquilo em que acreditava.Revi videos em que aparecia e apesar de perceber que ele fará falta é no entanto gratificante saber que não foi uma vida preenchida a lutar pelos seus ideais.
    Um abraço enorme,com a certeza de que mesmo que a saudade permaneça,haverá uma altura em que conseguirá atribuir um sentido a esta partida mesmo se tão prematura.
    Concha

    ResponderEliminar
  14. Helena:
    Só lhe quero dedicar esta coisinha sem valor, que fiz, pensando em si:


    Dor sem nome

    Quem não tem pais,
    É órfão, por seu mal.
    O marido ou mulher,
    Viúvos, sem destino.
    Quem perde um filho
    Como é que se diz?
    A dor é tão profunda,
    Que nem um nome tem.
    E como iria ter?
    Não é possível,
    Dizer numa palavra
    A dor de pai e mãe.

    Maria

    ResponderEliminar
  15. Desde 2008 que não tenho mãe. Lembro-me de em 2009 esperar pelas suas participações na SIC porque me traziam algo de maternal, de familiar.

    Há pessoas que não sendo da nossa família e não as conhecendo pessoalmente, ainda assim, nos fazem companhia e trazem conforto.

    Em momentos difíceis para mim ouvi-la com a sua alegria e inteligência confortou-me e deu-me alento.

    Deixo-lhe aqui apenas um beijo, neste momento, porque sinceramente sinto-me triste pela morte do seu filho, conheço bem a dor do luto, e não gosto de saber que a esta a sentir.

    Muita força Helena! Não há palavras para descrever certos momentos, porque ainda não foram inventadas. Ninguém quis inventar palavras tão pesadas, profundas e tristes para descrever tamanha dor.

    Muita força Helena!

    beijinho

    ResponderEliminar
  16. Querida Helena.

    Embora não a conheça pessoalmente,sinto um grande carinho e admiração por si,pela sua forma de ser e estar,pela suas palavras escritas e faladas.
    Não podia de forma alguma,neste momento de perda e dor profunda,por um filho maravilhoso,de lhe dar um Abraço cheio de ternura e amizade.
    Acompanho-a,não da forma que desejava mas através da oração ,na certeza que Deus a acompanha e a reveste da fortaleza que necessita para enfrentar este momento.

    Cristina

    ResponderEliminar
  17. Lindo esse pequeno e tão significativo POEMA!
    Uma desconhecida que muito a aprecia e que pelo seu Filho tinha simpatia.
    Carolina/Sines

    ResponderEliminar
  18. bonito poema. e tão simples.
    desejo conseguir expressar-me assim.

    ResponderEliminar
  19. Certo ou incerto... "caminho"!
    Simples e tão belo!
    Beijinho
    jc

    ResponderEliminar
  20. Escrevo só hoje porque tanto me faz, ontem, amanhã...os dias são iguais.O Miguel fazia-os diferentes e nem sabia que eu existia. Um abraço para si porque quero que saiba que existo, a vejo, a sigo, a admiro e não quero nunca mais deixar de dizer que gosto de quem gosto. A mãe do Miguel faz falta, viva por favor.

    ResponderEliminar
  21. "O caminho faz-se caminhando"!, parafraseando o título de um programa de televisão (segundo creio). E não lhe pode dar a mão, porque as tem ocupadas, no amparo do difícil percurso.
    Não lhe dá a mão, porque as tem ocupadas. "Levando-a ao colo".

    Um beijinho,
    Vânia Edite Batista

    ResponderEliminar