Número total de visualizações de página

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Sinais

Só te conhecia o toque
Das mãos esguias e fortes
Neste corpo que sendo meu,
Era apenas domínio teu.

Não precisava de mais,
Rendida ao teu calor
Que tomava por amor.
Tola, não te conhecia,
Nem percebia os sinais
Simples, cruéis, fatais
De quem já então me feria
De quem me causava dor!

Helena



11 comentários:

  1. Desajeitados
    os homens
    escondem de nós o olhar
    como se fossem meninos
    que fizeram diabruras

    e nós de tanto os amar
    desviamos o olhar
    com receio de perceber
    o que o instinto insinua
    devagar devagarinho...

    Erro dele?
    Falta tua?
    algum sentimento omisso?

    Quem sabe existe DESTINO(?)
    Apenas isso!!!

    ResponderEliminar
  2. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Perdoe-me Drª Helena, mas não resisti a escrever estas palavras.

      Eliminar
  3. O comentário foi apagado... oh! só espero que não tenha sido por ser considerado ofensivo!

    Se o acharam inconveniente, por favor digam para que possa corrigir próximas intervenções.

    Obrigada
    Vânia

    ResponderEliminar
  4. Ó Vânia não apaguei nada. Porque haveria de faze-lo, quando é tão gentil comigo?!
    Não tenho a mínima vocação censória e até hoje em três anos de blogosfera só censurei um comentário.

    ResponderEliminar
  5. Obrigada, querida Drª Helena, só temi ter excedido algum limite.

    Um abraço amigo,
    Vânia Batista

    ResponderEliminar
  6. Boa noite Helena,

    Foi uma daquelas surpresas boas, diferentes, que um dia nos sucedem, e esse dia foi hoje.
    Encontrei o seu comentário no blogue do José Maria, e não hesitei em vir conhecer o seu, que, afinal, são quatro.

    Pois, li este seu poema, que tem a ver com sentires e sentidos. É um poema de amor, sem dúvida nenhuma, de algum pranto e também dor.

    E estou a ouvir as suas gargalhadas...!

    Tenha uma noite sublime e serena.
    O tempo a tudo responde e tudo esclarece, e alivia, também, mas não se esquece.

    Um beijo, de apreço.
    Luz (Emília Estanque)

    ResponderEliminar
  7. Que bom Luz, ter vindo cá parar.
    Gosto imenso do que escreve o Zé Maria!

    ResponderEliminar
  8. Boa noite Helena,

    Eu costumo "parar" em sítios, em pessoas aprazíveis e com gargalhadas chilreantes.
    Eu, também, gosto do que o Zé escreve. É muito cavalheiro, sobretudo.

    Não sei se gosta do que eu escrevo ou não, porque nunca o disse, ou melhor, nunca deu um "saltinho" lá a casa, que tem afetos, cumplicidades, luzes e luares.

    Será um prazer recebê-la, quando pretender.

    Um beijo, com estima da Luz.

    PS: não sei se é do seu conhecimento, mas quando deixamos comentário, aqui, temos de digitar uma palavra meia obtusa e um número, que, por vezes, está, parece estar, de pernas para o ar. Sabia?
    Se calhar são aquelas duas ou três coisas que não sabe, será?

    ResponderEliminar